Colaboradores da Turb Petrópolis dão exemplo de honestidade
gerci

Dois funcionários da Turb Petrópolis deram verdadeiros exemplos de honestidade neste mês. A cobradora Gerciana Aparecida dos Santos encontrou uma carteira com dinheiro na linha 700 e conseguiu devolver para a passageira. Já o motorista Vinicius Octávio achou três celulares em uma semana. Todos foram entregues aos donos.

Gerciana contou que a carteira caiu embaixo do banco do motorista no ônibus da linha 700- Terminal Itaipava e, além do dinheiro, também tinha documentos da passageira e dos filhos. Ela disse que entrou em contato com a mulher pelas mídias sociais.

“Meus pais sempre me ensinaram a devolver o que não é meu e levo isso para a vida”, disse Gerciana, que trabalha na empresa há seis meses.

A dona da carteira, Natália Maria, de 27 anos, afirma que não esperava uma atitude como essa. “No Brasil que a gente vive qualquer gesto de honestidade é diferenciado. São iniciativas assim que fazem a gente acreditar que as coisas podem ser diferentes”, afirma Natália, que está desempregada e contou que a carteira estava com o dinheiro para pagar o aluguel e também a conta de água. “Nem sei como ia fazer para pagar essas contas se a cobradora não tivesse devolvido”, destaca.

 Já o motorista Vinicius Octávio da linha Araras achou três telefones em uma semana. “Já perdi um celular e sei o transtorno que é. Sem contar que é nele que guardamos os contatos e ainda têm as fotos pessoais, que são lembranças que a gente arquiva”, disse.

O motorista disse ainda que quando não encontra o passageiro que perdeu os pertences, os objetos são levados para o setor de “achados e perdidos” da empresa.

Para o diretor da Turb Petrópolis, Jean Moraes, é gratificante ter funcionários que tenham atitudes como essas. “A empresa realiza treinamentos para falar sobre as condutas que devem ser adotadas ao encontrar objetos e pertences dentro dos ônibus, mas temos que valorizar as iniciativas que partem de cada um. Nesses casos específicos, o mérito é dos próprios colaboradores”, afirma Jean.